Início da Quaresma – 05/03/2014

quaresma

Anúncio do Evangelho (Mt 6,1-6.16-18)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 1“Ficai atentos para não praticar a vossa justiça na frente dos homens, só para serdes vistos por eles. Caso contrário, não recebereis a recompensa do vosso Pai que está nos céus. 2Por isso, quando deres esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem elogiados pelos homens. Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 3Ao contrário, quando deres esmola, que a tua mão esquerda não saiba o que faz a tua mão direita, 4de modo que a tua esmola fique oculta. E o teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa. 5Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar de pé, nas sinagogas e nas esquinas das praças, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 6Ao contrário, quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta, e reza ao teu Pai que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa.

16Quando jejuardes, não fiqueis com o rosto triste como os hipócritas. Eles desfiguram o rosto, para que os homens vejam que estão jejuando. Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 17Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, 18para que os homens não vejam que tu estás jejuando, mas somente teu Pai, que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Homilia

Quaresma é tempo de graça e bênçãos em nossa vida!

Que este tempo da Quaresma nos ajude a vivermos um tempo propício de conversão, de graça, de mudança de mentalidade, de hábitos e comportamentos!

”Rasgai o coração, e não as vestes; e voltai para o Senhor, vosso Deus; porque Ele é benigno e compassivo, paciente e cheio de misericórdia, inclinado a perdoar o castigo” (Joel 2,13).

Nós, hoje, começamos com toda a alegria do nosso coração esse tempo maravilhoso e abençoado, que se chama o tempo da Quaresma, tempo da graça de Deus para conosco. Algumas pessoas olham esse tempo quaresmal como uma coisa pesada, como um tempo de muito sacrifício, penoso e triste. Mas, na verdade, não é assim! Esse tempo nos conduz ao tempo da graça, que nos ajuda a refletir e a meditar sobre as profundezas maravilhosas da nossa fé à luz da ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo.

O dia de hoje é um convite para nos voltarmos ao silêncio, à meditação, ao desprendimento, à conversão, que consiste na verdadeira mudança do coração e da mente. Essa é a penitência que somos chamados a viver durante esse tempo. E por isso nós vimos tantas pessoas durante esses dias “rasgarem” suas roupas, mas nós não fazemos isso. O que nós fazemos hoje é rasgar o nosso coração para Deus e dizer: ”Senhor, queremos ser inteiramente Seus, queremos inteiramente entregar nossa vida em Suas mãos”.

O caminho para o tempo da Quaresma, proposto pela Igreja, se baseia em três elementos da fé e da religião: o jejum, a esmola e a oração. O jejum, pois não podemos ser escravos dos alimentos, não podemos ser escravos dos prazeres e dos instintos; pelo contrário, precisamos nos alimentar bem, mas sem nos esquecer de que milhões de pessoas, mundo afora, estão passando fome. Por isso, quando nós sabemos nos privar de algum alimento, por algum sacrifício, pela união com Deus, nós estamos afirmando que Deus é primeiro em nossa vida e não o alimento que nós temos.

A esmola, porque traduzimos esmola por ”caridade”, para cuidar do outro, para tirar daquilo que é nosso em favor daqueles que não têm, dos mais sofridos e dos mais necessitados. Como é importante saber repartir aquilo que nós temos, por isso, a esmola é bem ligada ao jejum. Não adianta só deixarmos de comer, é preciso pegar aquilo que não comemos ou nos privamos e repartir com aqueles que não têm. É preciso que nos preocupemos e cuidemos do outro que sofre e necessita de nós.

No entanto, o jejum e a esmola devem ser guiados pela oração, pela nossa relação pessoal com Deus, para nos voltarmos ao nosso interior a fim de conversar com o Pai. A oração feita na intimidade do nosso quarto, a oração na qual o nosso coração está inteiramente voltado para o Nosso Deus.

Que esse tempo da Quaresma nos ajude a vivermos um tempo propício de conversão, de graça, de mudança de mentalidade, de hábitos e comportamentos! Se praticarmos estes elementos: a oração, a esmola e o jejum, vividos com a intensidade da nossa alma, a Quaresma será um tempo de graça e de bênçãos em nossa vida.

Deus abençoe você!

Reflexão – Mt 6, 1-6.16-18

O verdadeiro espírito de conversão quaresmal é aquele de quem não busca simplesmente dar uma satisfação de sua vida a outras pessoas para conseguir a sua aprovação e passar assim por um bom religioso, mas sim aquele que encontra a sua motivação no relacionamento com Deus e busca superar as suas imaturidades, suas fraquezas, sua maldade e seu pecado para ter uma vida mais digna da vocação à santidade que é conferida a todas as pessoas com a graça batismal, e busca fazer o bem porque é capaz de ver nas outras pessoas um templo vivo do Altíssimo e servem ao próprio Deus na pessoa do irmão ou da irmã que se encontram feridos na sua dignidade.

Francisco: “Nossa relação com Deus gosta do silêncio”

Francisco: “Nossa relação com Deus gosta do silêncio

Papa FRANCISCO - 15Cidade do Vaticano (RV) – “Somente o silêncio pode guardar o mistério do caminho que o homem percorre com Deus. E que o Senhor nos dê a graça de amar o silêncio, longe de qualquer publicidade”: este foi o fulcro da homilia proferida pelo Papa na missa da manhã de sexta-feira, 20, na Casa Santa Marta. A reflexão de Francisco se inspirou nos momentos da Anunciação, proposta no Evangelho do dia.

“O Senhor sempre cobriu o mistério, nunca fez publicidade dele; isto não seria cristão. E também o mistério da maternidade virginal de Maria foi coberto, por toda a vida! A sombra de Deus em nossas vidas nos ajuda a descobrir o nosso mistério do encontro com o Senhor, do caminho da vida com Ele”.

“Cada um de nós – disse ainda o Papa – sabe como o Senhor age misteriosamente em nosso coração e em nossa alma. E qual seria a nuvem, o poder, o estilo do Espírito Santo para cobrir o nosso mistério?”, questionou, respondendo:
“Esta nuvem em nossa vida se chama silêncio, aquilo que se estende sobre o mistério da nossa relação com o Senhor, da nossa santidade e dos nossos pecados. Não se pode explicar este mistério, mas quando não existe silêncio em nossas vidas, o mistério se perde”.

“A Mãe de Jesus foi o perfeito ícone do silêncio, desde o anúncio de sua maternidade ao Calvário”, apontou o Papa, lembrando de quantas vezes ela não revelou seus sentimentos para guardar o mistério da relação com o seu Filho, até o silêncio mais cruento, “aos pés da Cruz”:

“O Evangelho não nos diz se ela pronunciou ou não alguma palavra… estava silente, mas dentro de seu coração, quantas coisas dizia ao Senhor: ‘Você me disse que ele seria grande, que teria reinado para sempre e agora… o vejo ali’. Maria era humana! E talvez tivesse vontade de dizer: ‘Fui enganada!, mas Ela, com o silêncio, ocultou o mistério que não entendia e com seu silêncio, deixou que seu mistério crescesse e florescesse na esperança”, concluiu o Papa.

O texto original, em italiano, está na página:

http://it.radiovaticana.va/news/2013/12/20/il_papa:_il_mistero_del_nostro_incontro_con_dio_si_comprende_in_un/it1-757278

fonte: News.Va - 2013-12-20 – Rádio Vaticana

O valor de uma simples visita

O valor de uma simples visita

Há algum tempo, tenho ouvido falar de cursilhistas que passaram pelo Movimento de Cursilhos de Cristandade. São pessoas que marcaram nosso movimento com seus testemunhos sempre vibrantes e fervorosos pelo Amor de Cristo. Muitos diziam deles que quando falavam não eram eles que apareciam, mas era Cristo que era evidenciado. Neste feriado, aniversário de Araçatuba (02/12) fui convidado por Iassuo, para juntar-me ao casal Joaquim e Conceição para enfim conhecer uma dessas pessoas.

DSC01126

Tio Batistela – Cristão Comprometido

A pessoa de hoje é um homem de Guararapes, o mesmo cristão cursilhista, Miguel Batistela ou carinhosamente “Tio Batistela”, com seus atuais 94 anos, bem vividos em nome de nosso Senhor.

Ele fez o 6º Cursilho para homens, em 1970, na cidade de Valparaíso, quando Guararapes ainda estava ligada à diocese de Lins. Sua esposa Lourdes Silva presente ao seu lado, fez o 60º Cursilho para mulheres também da diocese de Lins.

Como responsável no cursilho três dias, tio Batistela tinha como mensagem “Igreja e Comunidade” e depois “O Cristão Comprometido”.

Passamos hora e meia na casa do casal, ouvindo recordações da história do movimento. Pudemos ver o quadrante do seu cursilho que ele guarda com todo carinho.

Realmente as pessoas que estão ao seu lado vão se contagiando com sua simplicidade, sorriso franco e a palavra aberta ao Amor de Cristo. São muitos anos, muitas histórias e não poderia ser diferente.

Ao nos despedir, indaguei se mesmo com a dificuldade dele para se locomover poderia fazer uma comunicação na Escola Vivencial e sua resposta foi firme e na certeza da continuidade do trabalho evangelizador.

- É só vir me buscar!

Do valor da simples visita e do testemunho de vida dele, deixo para cada um que ora me lê, descobrir o dia da comunicação, ir até à Escola Vivencial e compartilhar da vivência da fé.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Blog do MCC da Diocese de Araçatuba – ano III

Dia 27/11/2013

Blog do MCC da Diocese de Araçatuba

Ano III

Ao adentrar no seu Quarto Ano, o blog do MCC da Diocese de Araçatuba apresenta um resumo de 2013.

Vejamos algumas ações:

Para melhor visualização, clique sobre as imagens:

número de visitas ao blog

Total de acessos = 87.219 (visitas)

A partir do mês de Agosto, o blog passou a enviar e-mails aos cursilhistas convidando para que se cadastrem e recebam as postagens on-line.

seguidores

Atualmente somos 183 seguidores, perfazendo uma média de 106 acessos diários.

O número de acessos está ligado à visita sobre cada postagem, contudo o WordPress disponibilizou um novo dado vinculado aos acessos e assim temos o número real de visitantes (computadores diferentes), sendo atualmente a média mensal de 1.483 IP (internet protocol) diferentes.

pessoas diferentes

49 pessoas por dia vem nos visitar, durante os trintas dias do mês.

Por meio do envio do endereço eletrônico do blog junto das alavancas aos Cursilhos que ocorrem no Brasil e mundo afora, muitos cursilhistas de outros países também vem nos conhecer.

Neste plano, destaca-se os países de língua portuguesa tais como Portugal, Moçambique, Angola entre outros de língua castelhana.    

países

Na melhor e feliz coincidência, o dia de maior acesso do blog, com 289 visitas, ocorreu dia 25/09/2013 e está relacionado à postagem da mensagem “Comunidade de comunidades: Uma nova paróquia” que foi proclamada por nosso querido Dom Sérgio Krzywy, Bispo da Igreja Particular de Araçatuba.

DSC09110Bispo da Igreja Particular de Araçatuba– D. Sérgio Krzywy

289 visualizações - 1

Seguindo o caminho do entendimento, cada vez maior, entre a Igreja e o MCC, o blog disponibilizou a categoria “Mensagens do Pe Agnaldo“, com vídeos do nosso Assessor Espiritual.

padre agnaldo (3)Mensagens do Pe Agnaldo – Assessor Espiritual do MCC

Este ano introduzimos na barra lateral direita a categoria do “Doação de Sangue” visando, além da ação humanitária na partilha deste líquido tão precioso, possibilitar que cada doador ali inscrito, possa deixar seu testemunho de vida numa ação evangelizadora.

banco de sangue

Certos da compreensão e partilha na formação de nosso Quarto Dia, os quatro setores do MCC estão empenhados com seus colaboradores, enviando matérias/fotos assim que os trabalhos são concluídos pelas escolas vivenciais, permitindo que haja um intercambio imediato (on-line) de tudo que acontece no MOVIMENTO DE CURSILHOS DE CRISTANDADE da diocese de Araçatuba.

Peregrinar é caminhar por Cristo ao Pai, através dos impulsos do Espírito Santo, com a ajuda de Maria, levando consigo os irmãos” - Antonio Rivera Ramírez

Abraços De Colores, da Equipe do Blog

No templo não celebramos um rito, mas adoramos a Deus

No templo não celebramos um rito, mas adoramos a Deus.

papa no santa marta

.

.

Cidade do Vaticano (RV) – O templo é um lugar sagrado onde o que é mais importante não é o rito, mas a “adoração ao Senhor”. Foi o que afirmou o Papa Francisco na homilia celebrada esta manhã na Casa Santa Marta. O Papa ressaltou que o ser humano, enquanto “templo do Espírito Santo”, é chamado a ouvir Deus dentro de si, a pedir-Lhe perdão e a segui-Lo.

Para a sua homilia, o Papa se inspirou no trecho litúrgico do Antigo Testamento, em que Judas Macabeu reconsagra o Templo destruído pelas guerras. “O Templo – observou o Pontífice – é o ponto de referência da comunidade, do povo de Deus”, para onde nos dirigimos por vários motivos, mas um deles em particular:

  • O Templo é o local onde a comunidade vai rezar, louvar o Senhor, dar graças, mas sobretudo adorar: no Templo se adora o Senhor. E este é o ponto mais importante. Isso é válido também para as cerimônias litúrgicas: o que é mais importante? Os cantos, os ritos? O mais importante é a adoração: toda a comunidade reunida olha para o altar, onde se celebra o sacrifício, e adora. Mas, eu creio – humildemente o digo – que nós cristãos talvez tenhamos perdido um pouco o sentido da adoração.

O Papa então se pergunta: “Os nossos templos são locais de adoração, a favorecem? E as nossas celebrações?”. Citando o Evangelho de hoje, Francisco recordou que Jesus expulsa os vendedores que usavam o Templo como um local de negócios, mais do que para a adoração. Mas há outro “Templo” e outra sacralidade a considerar na vida de fé:

  • São Paulo nos diz que nós somos templos do Espírito Santo. Eu sou um templo. O Espírito de Deus está em mim. Neste caso, talvez não podemos falar de adoração como antes, mas de uma espécie de adoração que é o coração que busca o Espírito do Senhor dentro de si, e sabe que Deus está ali, que o Espírito Santo está dentro de si. Ele O ouve e o segue.

Certamente, a sequela de Deus pressupõe uma contínua purificação, “porque somos pecadores”, reiterou o Papa Francisco, que insistiu: “Purificar-nos com a oração, com a penitência, com o Sacramento da reconciliação, com a Eucaristia”. E assim, “nesses dois templos – o templo material, o local de adoração, e o templo espiritual dentro de mim, onde habita o Espirito Santo – a nossa atitude deve ser a piedade que adora e escuta, que reza e pede perdão, que louva o Senhor”:

  • E quando se fala da alegria do Templo, se fala disso: toda a comunidade em adoração, em oração, em ação de graças, em louvor. Eu na oração com o Senhor, que está dentro de mim porque eu sou ‘templo’. Eu à escuta, disponível. Que o Senhor nos conceda este verdadeiro sentido do Templo, para poder prosseguir na nossa vida de adoração e de escuta da Palavra de Deus.

fonte: News.Va - 2013-11-22 – Rádio Vaticana

JMJ – Reflexões de Francisco – 16/11/2013

Reflexões de Francisco

Postagem nº 08 - Reflexão – Papa Francisco na homilia em Aparecida

O mês corrente de Novembro é dedicado pela Igreja Católica às Almas do Purgatório e em continuidade à reflexão sobre a homilia que o Papa Francisco proferiu na missa de Aparecida, reiteramos o seu chamado para três posturas:

  1. Conservar a esperança;
  2. Deixar-se surpreender por Deus;
  3. Viver na alegria.

Hoje, tomaremos a primeira postura – Conservar a Esperança.

papa francisco e o terço

“Nunca percamos a esperança! Nunca deixemos que ela se apague nos nossos corações! O “dragão”, o mal, faz-se presente na nossa história, mas ele não é o mais forte. Deus é o mais forte, e Deus é a nossa esperança!”

Questionamentos:

  1. Quais são os “dragões” atuais, diários, que ameaçam a nossa fé?
  2. Que forças temos empregado para que nossa esperança seja constante e fortalecida?
  3. Em que consiste a esperança do cristão? Compreendemos o que Maria quer de nós quando nos diz para fazer tudo o que Jesus nos pedir?

Indicações:

Para auxiliar sua reflexão:

  • Veja o vídeo do Hino Oficial JMJ Rio2013 “Esperança do Amanhecer

  • Leia a parte da homilia do Bispo de Roma em Aparecida em que ele fala sobre Conservar a Esperança:

Conservar a Esperança. A segunda leitura da Missa apresenta uma cena dramática: uma mulher – figura de Maria e da Igreja – sendo perseguida por um Dragão – o diabo – que quer lhe devorar o filho.

a mulher e o dragão

A mulher vestida de sol e o dragão que tenta devorar seu filho, uma das cenas do Apocalipse, afresco de Giusto de’ Menabuoi na abside do Batistério de Pádua

A cena, porém, não é de morte, mas de vida, porque Deus intervém e coloca o filho a salvo (cfr. Ap 12,13a.15-16a).

Quantas dificuldades na vida de cada um no nosso povo, nas nossas comunidades, mas, por maiores que possam parecer, Deus nunca deixa que sejamos submergidos. Frente ao desânimo que poderia aparecer na vida, em quem trabalha na evangelização ou em quem se esforça por viver a fé como pai e mãe de família, quero dizer com força: Tenham sempre no coração esta certeza!

Deus caminha a seu lado, nunca lhes deixa desamparados! Nunca percamos a esperança! Nunca deixemos que ela se apague nos nossos corações! O “dragão”, o mal, faz-se presente na nossa história, mas ele não é o mais forte. Deus é o mais forte, e Deus é a nossa esperança!

É verdade que hoje, mais ou menos todas as pessoas, e também os nossos jovens, experimentam o fascínio de tantos ídolos que se colocam no lugar de Deus e parecem dar esperança: o dinheiro, o poder, o sucesso, o prazer. Frequentemente, uma sensação de solidão e de vazio entra no coração de muitos e conduz à busca de compensações, destes ídolos passageiros.

Queridos irmãos e irmãs, sejamos luzeiros de esperança! Tenhamos uma visão positiva sobre a realidade. Encorajemos a generosidade que caracteriza os jovens, acompanhando-lhes no processo de se tornarem protagonistas da construção de um mundo melhor: eles são um motor potente para a Igreja e para a sociedade. Eles não precisam só de coisas, precisam sobretudo que lhes sejam propostos aqueles valores imateriais que são o coração espiritual de um povo, a memória de um povo. Neste Santuário, que faz parte da memória do Brasil, podemos quase que apalpá-los: espiritualidade, generosidade, solidariedade, perseverança, fraternidade, alegria; trata-se de valores que encontram a sua raiz mais profunda na fé cristã.

JMJ – Reflexões de Francisco – 15/10/2013

Reflexões de Francisco

Postagem nº 07 - Reflexão – Papa Francisco na homilia em Aparecida

Neste mês que a Igreja dedica aos discípulos missionários e à Maria (em especial o dia 12/10 em que celebramos o dia da Padroeira do Brasil), a ideia central na homilia do Bispo de Roma nos faz refletir em dois pontos:

  • 1º – “Fazei tudo o que Ele vos disser”;
  • 2º – “Mostrai-nos Jesus”.

Neste período, também, refletiremos a homilia de Francisco na parte do seu chamado para três posturas:

  1. Conservar a esperança;
  2. Deixar-se surpreender por Deus;
  3. Viver na alegria.

Na homilia proferida na missa da Basílica de Aparecida, Francisco disse que ao ser eleito como Bispo de Roma foi visitar a Basílica de Santa Maria Maior e que, ao participar da Jornada Mundial da Juventude no Brasil, quis vir à Aparecida para suplicar à Maria o bom êxito da Jornada e colocar a seus pés a vida do povo latinoamericano.

Francisco em sua homilia disse que a Igreja, quando busca Cristo, bate sempre à casa da Mãe e pede: “Mostrai-nos Jesus”.

Papa francisco e imagem nossa senhora aparecida

“Queridos amigos, viemos bater à porta da casa de Maria. Ela abriu-nos, fez-nos entrar e nos aponta o seu Filho. Agora Ela nos pede: «Fazei o que Ele vos disser» (Jo 2,5).

São pouquíssimas as palavras de Maria registradas no Evangelho. Todavia, elas são profundas para nós e o Bispo de Roma nos faz mergulhar no evangelho e nos questiona:

Questionamentos:

  1. Compreendemos o que Maria quer de nós quando nos diz para fazer tudo o que Jesus nos pedir?
  2. Quando rezamos a Maria, pedindo “Mostrai-nos Jesus”, entendemos ser ela nosso modelo de discípulos missionários?
  3. Entendemos que o Evangelho precisa ser anunciado nas realidades em que vivemos?

Indicações:

Para auxiliar a reflexão:

  • Leitura textos bíblicos da liturgia do dia de Nossa Senhora Aparecida (acesse neste blog o link Liturgia Diária):
    1. Primeira Leitura: Ester 5, 1b-2; 7, 2b-3
    2. Salmo: 44(45),11-12a.12b-13.14-15a.15b-16
    3. Segunda Leitura: Apocalipse 12, 1.5. 13a. 15-16a
    4. Evangelho; Jo 2, 1-11
  • Leia a parte inicial da homilia do Papa em Aparecida:

Venerados irmãos no episcopado e no sacerdócio,

Queridos irmãos e irmãs!

Quanta alegria me dá vir à casa da Mãe de cada brasileiro, o Santuário de Nossa Senhora Aparecida. No dia seguinte à minha eleição como Bispo de Roma fui visitar a Basílica de Santa Maria Maior, para confiar a Nossa Senhora o meu ministério de Sucessor de Pedro. Hoje, eu quis vir aqui para suplicar à Maria, nossa Mãe, o bom êxito da Jornada Mundial da Juventude e colocar aos seus pés a vida do povo latinoamericano.

“Sim, Mãe nossa, nos comprometemos a fazer o que Jesus nos disser! E o faremos com esperança, confiantes nas surpresas de Deus e cheios de alegria.“

Queria dizer-lhes, primeiramente, uma coisa. Neste Santuário, seis anos atrás, quando aqui se realizou a V Conferência Geral do Episcopado da América Latina e do Caribe, pude dar-me conta pessoalmente de um fato belíssimo: ver como os Bispos – que trabalharam sobre o tema do encontro com Cristo, discipulado e missão – eram animados, acompanhados e, em certo sentido, inspirados pelos milhares de peregrinos que vinham diariamente confiar a sua vida a Nossa Senhora: aquela Conferência foi um grande momento de vida de Igreja. E, de fato, pode-se dizer que o Documento de Aparecida nasceu justamente deste encontro entre os trabalhos dos Pastores e a fé simples dos romeiros, sob a proteção maternal de Maria. A Igreja, quando busca Cristo, bate sempre à casa da Mãe e pede: “Mostrai-nos Jesus”. É de Maria que se aprende o verdadeiro discipulado. E, por isso, a Igreja sai em missão sempre na esteira de Maria.

Assim, de cara à Jornada Mundial da Juventude que me trouxe até o Brasil, também eu venho hoje bater à porta da casa de Maria, que amou e educou Jesus, para que ajude a todos nós, os Pastores do Povo de Deus, aos pais e aos educadores, a transmitir aos nossos jovens os valores que farão deles construtores de um País e de um mundo mais justo, solidário e fraterno. Para tal, gostaria de chamar à atenção para três simples posturas: Conservar a esperança; deixar-se surpreender por Deus; viver na alegria.”

JMJ – Reflexões de Francisco – 30/09/2013

Reflexões de Francisco

Postagem nº 06 - Reflexão – Papa Francisco na Vigília da JMJ

Nas duas postagens anteriores, refletimos sobre o que disse o Bispo de Roma Francisco sobre “o campo como lugar onde se semeia” e “o campo como lugar de treinamento”. Agora, vamos refletir sobre o que ele disse em “o campo como canteiro de obras”.

Ao final da sua homilia, Francisco se dirige aos jovens dizendo:

Papa francisco - 22

Queridos amigos, não se esqueçam: Vocês são o campo da fé! Vocês são os atletas de Cristo! Vocês são os construtores de uma Igreja mais bela e de um mundo melhor.

Tomemos o final da homilia para nossa reflexão:

a) Vocês são o campo da fé!

“…isso significa que o verdadeiro Campus Fidei é o coração de cada um de vocês, é a vida de vocês.”

b) Vocês são os atletas de Cristo!

“Queridos jovens, que vocês sejam verdadeiros atletas de Cristo!”

c) Vocês são construtores de uma Igreja mais bela e de um mundo melhor.

“No coração jovem de vocês, existe o desejo de construir um mundo melhor.”

Questionamentos:

  1. Quais são os desejos que estão em nosso coração?
  2. Temos contribuído para uma comunidade mais fraterna?
  3. Temos vivido como cristãos e estamos construindo a nossa história pessoal e social?Como está o nosso “treino” para ser um seguidor fiel de Jesus Cristo?

Indicações:

  • Leia o texto em que o Papa fala sobre “o campo como canteiro de obras”:

O campo como canteiro de obras. Quando o nosso coração é uma terra boa que acolhe a Palavra de Deus, quando se “sua a camisa” procurando viver como cristãos, nós experimentamos algo maravilhoso: nunca estamos sozinhos, fazemos parte de uma família de irmãos que percorrem o mesmo caminho; somos parte da Igreja, mais ainda, tornamo-nos construtores da Igreja e protagonistas da história. São Pedro nos diz que somos pedras vivas que formam um edifício espiritual (cf. 1Pe 2,5). E, olhando para este palco, vemos que ele tem a forma de uma igreja, construída com pedras, com tijolos.

Na Igreja de Jesus, nós somos as pedras vivas, e Jesus nos pede que construamos a sua Igreja; e não como uma capelinha, onde cabe somente um grupinho de pessoas. Jesus nos pede que a sua Igreja viva seja tão grande que possa acolher toda a humanidade, que seja casa para todos! Ele diz a mim, a você, a cada um: «Ide e fazei discípulos entre todas as nações»! Nesta noite, respondamos-lhe: Sim, também eu quero ser uma pedra viva; juntos queremos edificar a Igreja de Jesus! Digamos juntos: Eu quero ir e ser construtor da Igreja de Cristo!

No coração jovem de vocês, existe o desejo de construir um mundo melhor. Acompanhei atentamente as notícias a respeito de muitos jovens que, em tantas partes do mundo, saíram pelas ruas para expressar o desejo de uma civilização mais justa e fraterna. Mas, fica a pergunta:

      • Por onde começar?
      • Quais são os critérios para a construção de uma sociedade mais justa?
      • Quando perguntaram a Madre Teresa de Calcutá o que devia mudar na Igreja, ela respondeu: você e eu!

Queridos amigos, não se esqueçam: 

      • Vocês são o campo da fé!
      • Vocês são os atletas de Cristo!
      • Vocês são os construtores de uma Igreja mais bela e de um mundo melhor.

Elevemos o olhar para Nossa Senhora. Ela nos ajuda a seguir Jesus, nos dá o exemplo com o seu “sim” a Deus: «Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua Palavra» (Lc 1,38). Também nós o dizemos a Deus, juntos com Maria: faça-se em mim segundo a Tua palavra.

Assim seja!

JMJ – Reflexões de Francisco – 08/09/2013

Reflexões de Francisco

Na semana passada fizemos a reflexão sobre “o campo como lugar onde se semeia”. Em continuidade, desta vez, tomaremos as palavras do Papa Francisco, com o segundo tema que é “o campo como lugar de treinamento”.

Eis parte do que ele disse, quando diante da impossibilidade de realizar a vigília da Jornada Mundial da Juventude no Campo da Fé – pelos estragos do local causados pela chuva –  e na compreensão do que Deus lhe falou com esse fato:

Postagem nº 05 - Reflexão – Papa Francisco na Vigília da JMJ

papa francisco

“Acho que a maioria de vocês ama os esportes. E aqui no Brasil, como em outros países, o futebol é uma paixão nacional. Ora bem, o que faz um jogador quando é convocado para jogar em um time? Deve treinar, e muito!”

O bispo de Roma, Francisco, traz nesta segunda imagem amostra de um novo modo de Vida.

“O campo como lugar de treinamento. 

Jesus nos pede que o sigamos por toda a vida, pede que sejamos seus discípulos, que “joguemos no seu time”.

Acho que a maioria de vocês ama os esportes. E aqui no Brasil, como em outros países, o futebol é uma paixão nacional.

Ora bem, o que faz um jogador quando é convocado para jogar em um time?

Neste ponto, o papa nos lembra do testemunho necessário.

Deve treinar, e muito! Também é assim na nossa vida de discípulos do Senhor.

São Paulo nos diz: “Todo atleta se impõe todo tipo de disciplina. Eles assim procedem, para conseguirem uma coroa corruptível.

Quanto a nós, buscamos uma coroa incorruptível!” (1Co 9, 25).

Jesus nos oferece algo muito superior que a Copa do Mundo! Oferece-nos a possibilidade de uma vida fecunda e feliz e nos oferece também um futuro com Ele que não terá fim: a vida eterna.

Por fim, Francisco, remete-nos a um dos compromissos do Quarto Dia.

Jesus, porém, nos pede que treinemos para estar “em forma”, para enfrentar, sem medo, todas as situações da vida, testemunhando a nossa fé.

Como?

Através do diálogo com Ele: a oração, que é diálogo diário com Deus que sempre nos escuta; através dos sacramentos, que fazem crescer em nós a sua presença e nos conformam com Cristo; através do amor fraterno, do saber escutar, do compreender, do perdoar, do acolher, do ajudar os demais, qualquer pessoa sem excluir nem marginalizar ninguém. Queridos jovens, que vocês sejam verdadeiros “atletas de Cristo”!”

Questionamentos:

  1. Como está o nosso “treino” para ser um seguidor fiel de Jesus Cristo?
  2. Temos estudado e vivido a Palavra de Deus?
  3. Que sentido nós temos dado às orações diárias e à  vivência dos Sacramentos?

Indicações:

  • Leitura Mateus 7,1-29
  1. Não julgueis, para que não sejais julgados.
  2. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós.
  3. E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?
  4. Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu?
  5. Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.
  6. Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem.
  7. Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.
  8. Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á.
  9. E qual dentre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra?
  10. E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente?
  11. Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem?
  12. Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas.
  13. Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;
  14. E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.
  15. Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores.
  16. Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?
  17. Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus.
  18. Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons.
  19. Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo.
  20. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.
  21. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.
  22. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
  23. E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.
  24. Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha;
  25. E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha.
  26. E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia;
  27. E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.
  28. E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina;
  29. Porquanto os ensinava como tendo autoridade; e não como os escribas.

JMJ – Reflexões de Francisco – 19/08/2013

Reflexões de Francisco

A equipe do blog segue com nova reflexão sobre as homilias do Papa Francisco durante a Jornada Mundial da Juventude.

Vamos continuar!?

Postagem nº 03 - Reflexão – Papa Francisco na Vigília da JMJ

Naqueles dias, debaixo de uma chuva (leve e incessante), que acabou deixando o local para o encontro com os jovens (determinado e preparado previamente), lameado e intransitável, o Bispo de Roma Francisco, diante deste fato inesperado, observou o que se passava ao seu redor e ouviu a voz de Deus pela transferência da realização da vigília no Campus Fidei para a Praia de Copacabana.

Tal situação nos mostra que Deus indicou ao Santo Padre que o verdadeiro campo da fé não é um lugar geográfico, mas somos todos nós.

Papa francisco - 14

“Penso que podemos aprender com o que aconteceu nesses dias. Como tivemos que cancelar, devido ao mau tempo, a realização desta vigília no Campus Fidei (Campo da Fé), em Guaratiba, não estaria o Senhor querendo dizer-nos que o verdadeiro Campo da Fé, o verdadeiro Campus Fidei, não é um lugar geográfico, mas somos nós?”

A partir do testemunho de Francisco, aprendemos que devemos estar abertos para ouvir a voz de Deus nos acontecimentos da vida, por menor que sejam.

Questionamentos:

  1. Sabemos reconhecer a voz de Deus na história e nos “sinais dos tempos”?
  2. Quais os fatos mais recentes tem chamado nossa atenção?
  3. O que Deus está nos dizendo através deles?

Indicações:

  • Leitura do texto do Padre Zezinho – “Ouvir a voz de Deus”

A Bíblia diz que Deus nos falou .
Nossa religião nos diz que Deus ainda nos fala.
Falou diretamente a Moisés e a outros patriarcas.
Falou por intermédio de mensageiros e anjos.
Falou por meio de profetas. Falou por meio de Jesus de Nazaré. Fala pela sua Igreja.
Se não acreditamos nisso então não há porque seguir uma religião.
Praticamos religião também para ouvir e sentir o que Deus faz nos outros.
Se para crermos nele exigimos que nos fale pessoalmente estamos dizendo a Deus que se tem algo a nos dizer, diga pessoalmente.
Deus não aceita condições, nem temos o direito de impô-las.
Se Ele falou e fala é porque quer e nos ama.
E impensável um Deus que não ame nem se comunique.
Mas é impensável alguém crer em Deus e exigir que se comunique
do jeito que queremos ouvi-lo.
Ninguém manda em Deus.
Podemos crer ou não crer que Ele de fato falou a Abraão e Moisés.
Podemos dizer que é tudo lenda, ficção, pedagogia…
Acharam que o ouviram, mas ele não falou…
Nossa Igreja diz que Deus fala e que a fé consiste em procurar ouvi-lo.
Se você manda recados por razões suas, Deus também o faz.
Os Israelitas, assustados com os sinais de Deus, disseram a Moisés:
- Da próxima vez , fala-nos tu.
Tiveram medo. O desconhecido os assustava.
Então alguém que não se assustava falou do desconhecido.
Nunca ouviremos a voz de Deus soprando nos nossos ouvidos. 

É com os ouvidos do coração que se ouve a Deus.

E é preciso ler sua mensagem com os olhos do coração.
Se você acha que uma mensagem como a do filho pródigo não vem de Deus,
então, de quem ela viria?
Jesus falou em nome de Deus a quem ele conhecia profundamente.
E quem ouve Jesus tem mais chance do que quem o ignora. Jesus é paz.
Nos católicos achamos que nossa Igreja fala em nome de Jesus.
Vale a pena ouvir a voz de Deus nos acontecimentos.
A Igreja ensina a ler e ouvir esta voz. Só ela é mãe e mestra.
Eu nunca ouvi Deus me falando, mas tenho certeza de que Ele me fala.
Um dos mensageiros mais fortes é a minha Igreja.

http://www.padrezezinhoscj.com

Reflexões de Francisco – 10/08/2013

Reflexões de Francisco

A equipe do blog apresenta uma nova reflexão das homilias do Papa Francisco durante a Jornada Mundial da Juventude.

Vamos participar?

Postagem nº 02 - Reflexão – Papa Francisco na Vigília da JMJ

Na reflexão anterior, fizemos a proposta de análise do nosso amor à Igreja e sobre o nosso discipulado. Também nos questionamos sobre a consciência da nossa missão de evangelizadores. Na mensagem ora apresentada, o Papa Francisco nos fala que o Senhor necessita de cada um de nós. Ele nos chama e devemos escutá-lo no coração. Dizendo assim:

Papa francisco - 18

“Queridos jovens, o Senhor necessita de você. Também hoje Ele chama a cada um de vocês para segui-Lo na sua Igreja, para serem missionários. Queridos jovens, o Senhor hoje os chama. Não a muitos, mas a você, a você, a você, a você… a cada um. Escutem-no no coração.”

Questionamentos:

  1. Temos escutado a voz do Senhor?
  2. Qual a nossa resposta ao seu chamado?
  3. Em que sentido cada um de nós pode afirmar que tem dado uma resposta positiva ao chamado de Deus?

Indicações:

  • Leitura do Primeiro Livro de Samuel, capítulo 3

1 O menino Samuel ministrava perante o Senhor, sob a direção de Eli; naqueles dias raramente o Senhor falava, e as visões não eram frequentes. 2 Certa noite, Eli, cujos olhos estavam ficando tão fracos que já não conseguia mais enxergar, estava deitado em seu lugar de costume. 3 A lâmpada de Deus ainda não havia se apagado, e Samuel estava deitado no santuário do Senhor, onde se encontrava a arca de Deus. 4 Então o Senhor chamou Samuel. 5 Samuel respondeu: “Estou aqui“. E correu até Eli e disse: “Estou aqui; o senhor me chamou?” Eli, porém, disse: “Não o chamei; volte e deite-se“. Então, ele foi e se deitou. 6 De novo o Senhor chamou: “Samuel!” E Samuel se levantou e foi até Eli e disse: “Estou aqui; o senhor me chamou?” Disse Eli: “Meu filho, não o chamei; volte e deite-se“. 7 Ora, Samuel ainda não conhecia o Senhor. A palavra do Senhor ainda não lhe havia sido revelada. 8 O Senhor chamou Samuel pela terceira vez. Ele se levantou, foi até Eli e disse: “Estou aqui; o senhor me chamou?” Eli percebeu que o Senhor estava chamando o menino 9 e lhe disse: “Vá e deite-se; se ele chamá-lo, diga: ‘Fala, Senhor, pois o teu servo está ouvindo’“. Então Samuel foi deitar-se. 10 O Senhor voltou a chamá-lo como nas outras vezes: “Samuel, Samuel!” Samuel disse: “Fala, pois o teu servo está ouvindo“. 11 E o Senhor disse a Samuel: “Vou realizar em Israel algo que fará tinir os ouvidos de todos os que ficarem sabendo. 12 Nessa ocasião executarei contra Eli tudo o que falei contra sua família, do começo ao fim. 13 Pois eu lhe disse que julgaria sua família para sempre, por causa do pecado dos seus filhos, do qual ele tinha consciência; seus filhos se fizeram desprezíveis, e ele não os puniu. 14 Por isso jurei à família de Eli: ‘Jamais se fará propiciação pela culpa da família de Eli mediante sacrifício ou oferta’ “. 15 Samuel ficou deitado até de manhã e então abriu as portas da casa do Senhor. Ele teve medo de contar a visão a Eli, 16 mas este o chamou e disse: “Samuel, meu filho“. “Estou aqui“, respondeu Samuel. 17 Eli perguntou: “O que o Senhor disse a você? Não esconda de mim. Deus o castigue, e o faça com muita severidade, se você esconder de mim qualquer coisa que ele falou“. 18 Então, Samuel lhe contou tudo e nada escondeu. Então Eli disse:Ele é o Senhor; que faça o que lhe parecer melhor“. 19 Enquanto Samuel crescia, o Senhor estava com ele e fazia com que todas as suas palavras se cumprissem. 20 Todo o Israel, desde Dã até Berseba, reconhecia que Samuel estava confirmado como profeta do Senhor. 21 O Senhor continuou aparecendo em Siló, onde havia se revelado a Samuel por meio de sua palavra.

Reflexões de Francisco – 03/08/2013

Reflexões de Francisco

A equipe do blog estará trazendo algumas postagens voltadas para as reflexões do Papa Francisco durante a Jornada Mundial da Juventude.

Muito do que se tem visto e falado na mídia, aparecem em frases soltas, impactantes e aparentemente podem ter mais de um sentido. Como cursilhistas e cristãos conscientes, não podemos nos apegar a esses pontos, momentos, mas sim, devemos nos aprofundar mais na propositura e contexto do que foi dito, pelo atual Bispo de Roma, e assim, descobrir o que este homem franciscano tem a nos revelar sobre os próximos caminhos a seguir na Igreja de Cristo Salvador, dentro de seu pontificado.

Papa francisco - 5

Temos consciência de que nossa missão é anunciar Jesus Cristo e a Sua Igreja?

Por postagem, trabalharemos uma única reflexão e assim, ao longo do ano, tentaremos esmiuçar todas as principais mensagens proclamadas por ele nas homilias da missa em Aparecida e em Copacabana, da Vigília, da Via Sacra e também do discurso aos bispos e cardeais do CELAM.

Um segundo objetivo está implícito na indicação do próprio Papa Francisco para que Igreja seja mais viva, motivada e amplie-se para fora dos prédios erigidos com fins de comunhão da eucaristia e da Palavra.

Deste modo, a equipe do blog espera que haja a partilha entre aqueles que o acessam, jovem e/ou adulto, sozinhos e/ou grupo, com seu comentário sobre o tema refletido.

Vamos participar?

Postagem nº 01 - Reflexão – Papa Francisco na Vigília da JMJ

O jovem Francisco, diante do Crucifixo, escuta a voz de Jesus: “Vai e repara minha casa!

A este chamado, ele responde com prontidão e generosidade.

Francisco percebe que para “reparar a casa do Senhor” não se tratava de torna-se pedreiro para reparar um edifício feito de pedras, mas deveria colocar-se ao serviço da Igreja, amando-A e trabalhando para que transparecesse nela sempre mais a Face de Cristo.

Questionamentos:

  1. Temos amado a Igreja?
  2. Constituímos a Igreja como discípulos de Jesus Cristo?
  3. Temos consciência de que nossa missão é anunciar Jesus Cristo e a Sua Igreja?

Indicações:

  • Pesquise sobre a vida de São Francisco de Assis.
  • Você pode assistir a um filme sobre a vida deste Santo. Um dos mais belos filmes é “Irmão Sol, Irmã Lua”.

Pe Ângelo (in memoriam) – 29/06 – completaria 63 anos de sacerdócio

Pe Ângelo Rudello (in memoriam)

29/06 – completaria 63 anos de sacerdócio

padre angelo

Com certeza … essa foto foi tirada num domingo!!!

No dia de São Paulo Apóstolo … muita saudade deste grande Discípulo-Missionário de Jesus, trabalhador e alimentador da Palavra em todos os ambientes, especialmente ativo e sempre presente na lembrança junto à comunidade de outrora jovens, ora homens e mulheres de 40 anos – testemunhos vivos da Boa Nova em nossa cidade.

SEMPRE ALERTA por longos anos.

Jorge Tadeu Abrahão
27º Cursilho para homens da diocese de Araçatuba

O Cristão Deve Ou Não Protestar?

O Cristão Deve Ou Não Protestar ?

Antes de qualquer coisa, o que é protestar? Protestar é afirmar e declarar a própria vontade de maneira solene, categórica e pública, com propósito e resolução inabalável. É também reclamar contra a ilegalidade de alguma coisa. 

protesto

Amar por primeiro.

Não precisamos dizer quase nada sobre as manifestações publicas da população brasileira nos últimos dias, pois os meios de comunicação não falam de outra coisa. Os que protestam, na sua a maioria jovens, posicionam-se contra o aumento das tarifas das passagens do transporte público, contra as injustiças sociais, contra os gastos exorbitantes com o evento da Copa das Confederações, contra a corrupção que grassa a nação, etc.

Há uma maioria que se manifesta com gritos e palavras de ordem, de maneira pacífica e ordeira. Mas, há uma minoria que a mídia qualifica de vândalos, pois depredam monumentos e patrimônio público, fazendo arruaças e enfrentando a polícia, que acuada, faz uso de gás lacrimogêneo e balas de borracha, etc. 

Tais protestos já se tornaram um fenômeno nacional, visualizado também pela imprensa internacional, levando políticos a realizarem concessões, como a diminuição de tarifas em todo país. 

Mas o CRISTÃO pode ou não protestar?

A pergunta que levantamos é: O cristão pode participar desses protestos? E temos duas respostas: Sim e Não!!

A resposta é sim quando está aliada a conduta ética, cordata e pacífica, pois afinal de contas vivemos sob um Estado democrático de direito. Obviamente, se o comportamento e postura dos servos de Deus destoam dessa realidade, a resposta é não (I Coríntios 10.31,32).

Como povo de Deus, devemos ser “inconformados” com o mundo, o sistema do mal (Romanos 12.1,2; I João 2.15-17; 5.19). Esse posicionamento não deixa de ser uma forma de protesto! Os profetas protestaram contra pecados e problemas sociais dos seus dias, alguns até morrendo por isso (Neemias 9.26; Lucas 13.34). O Senhor Jesus também protestou (Mateus 21.12)

Além de “crentes”, “cristãos”, “evangélicos”, também somos chamados de “protestantes”, ou seja, aqueles que protestam. Esse último título remete à Reforma Protestante, e aí lembramos de muitos que “protestaram” à sua época: Martinho Lutero, Ulrico Zuínglio, João Knox, João Huss, Jerônimo Savanarola, etc.

protesto - 1

1 Pedro 3,8-22

Deve-se protestar contra atitudes, não contra pessoas nem contra seus bens. Porém, o ato de protestar não nos isenta de amar as pessoas que estão no mundo (João 3.16; Mateus 5.43-48).

Aí é que está a grande diferença, pois AMAR também se traduz por tratar bem, cuidar, assistir, respeitar e se necessário, se “engajar” em causas nobres.

Depredar, destruir, infringir leis e praticar vandalismo não são práticas saudáveis de pessoas de bem. Como verdadeiros cristãos, devemos também respeitar (honrar) todas as autoridades constituídas (Romanos 13.1-7).

Com carinho e orações.

texto enviado por Thais Santos de Oliveira
8º Cursilho para Jovens da diocese de Araçatuba

O Domingo

O DOMINGO

Todo Domingo é dia da família, todo Domingo é dia da comunidade.

O último Domingo comemoramos o dia das Mães, ai o dia fica especial.

E por ser especial, é preparado com antecedência, esperado com ansiedade, precedido de diversas providências para que a festa esteja garantida.

Porém nos coloca um desafio de como celebrar sempre todos os domingos, vejo que todos eles poderiam ser vividos em clima de festa, que congrega família, e reúne a comunidade.

Comparando com as festas litúrgicas, o Domingo de Páscoa serve de referência para a celebração de todos os outros domingos, pois dá conteúdo, e por conta disto afirmamos que todos os domingos, de certa maneira viram domingos de páscoa, no qual celebramos o mistério da paixão, morte e ressurreição de Jesus. Se a páscoa fornece o conteúdo, o Domingo das Mães fornece a forma para celebrar o domingo de maneira festiva, e ainda nos ensina que todas as realidades de nossa vida recebem um sabor especial, quando bem assumidas e bem celebradas.

O Domingo é dia de recordar a memória do Senhor, mas também é dia de celebrar a vida, com os muitos motivos de ação de graças que ela nos apresenta.

Sinto que muitos desaprenderam a valorizar o Domingo e talvez por isso perderam a graça de vivê-los. É muito natural no Domingo das Mães, nas comunidades se fazer uma homenagem especial para as Mães. Assim em todo domingo não pode faltar a celebração e não pode faltar a festa em família, na alegria de sentir-nos unidos e abençoados por Deus.

Para o MCC, o Domingo no CUR, também é muito especial, pois trata-se do último dia da proclamação das mensagens, pois colocamos os nossos irmãos e irmãs diretamente dentro de seus ambientes, onde na Semeadura e a Vinha do Senhor, eles (as) se sentem que são uma terra boa, receberam a semente e agora, devem germinar e dar muitos frutos, principalmente no ambiente que ele vive.

Para isso deve conhecer melhor os mesmos, tendo um visão critica (VER), julgando sob critérios de Deus (JULGAR), e agindo (AGIR), neles para que possamos mudar as estruturas, mesmo que seja muito difícil a até possa parecer impossível,  jamais devemos perder a Esperança e de sermos Fieis ao Plano que Deus formulou e nos mostrou.

E como não poderia ser diferente também no CUR, em seu encerramento acontece encontro com a Comunidade e com a Família, assim podemos dizer que no Domingo não pode faltar Comunidade, Família e Celebração.

Forte Abraço a Todos e a Todas.

Tié
23º Cursilho para homens (Jales/1986).

NHA CHICA

N H Á     C H I C A

Em nossa Ultréya do último sábado, no momento da celebração, o Padre Argemiro, colocou com muita propriedade o fato da beatificação de uma tal de Nhá Chica.

Conforme o Padre Argemiro ia falando eu ia pensando comigo mesmo, como eu não estava sabendo desta noticia, porque os meios de comunicação não deram o valor merecido para o fato? e muitos outros porquês ???

Eu fiquei muito decepcionado comigo mesmo, pois um fato desta magnitude mereceria uma atenção maior de todo o nosso povo, naquela mesma noite sai em busca de resposta e informações, e que compartilho com vocês neste momento.

nha chica

Nhá Chica

Vejo que o acontecimento trás muitas lições para nós, pois é muito mais pela vivência e pelo testemunho de pessoas humildes, leigos e leigas, que mesmo em meio à condições adversas, encontraram na fé e na prática da caridade um caminho de crescimento pessoal e de sua vocação à santidade, como fala especialmente na mensagem de Cristão Comprometido. 

Entre os diversos dados que compõem sua singular biografia, é bom ter presente que no Brasil, no tempo que Nhá Chica viveu só havia onze dioceses, e isso deixa claro que a presença de hierarquia da Igreja era zero ou quase nada. Se a fé cristã dependesse naquele tempo de bispos e dos padres existente, ela não teria se arraigado desta maneira, fincando raízes tão profundas na cultura brasileira. 

Neta de escrava, filha de ex-escrava e de pai desconhecido, Francisca de Paula de Jesus nasceu em 1810 em Santo Antônio do Rio das Mortes Pequeno, distrito de São João Del Rey vindo o falecer em 1895 em Baependi, onde viveu por mais de oitenta anos.

De acordo com informações atestadas pelo escritor e historiador José de Souza Martins, a avó de Nhá Chica, uma africana trazida de Angola num navio negreiro em 1725, ficou conhecida como Rosa de Benguela. Violentada aos 14 anos pelo seu “amo e senhor”, foi vendida e levada do Rio para Minas, vindo morar perto de Mariana. Cativa na Fazenda Cata Preta, viveu 15 anos na prostituição. Aos 30 anos, doente, resolveu mudar de vida. Vendeu os poucos bens que tinha, distribuiu o dinheiro aos pobres e começou a participar de ofícios e liturgias nas igrejas da região.

Sua filha Izabel Maria, a mãe de Nhá Chica, foi alforriada, deixando então de ser escrava. Mulher piedosa, ela pediu a Francisca que não se casasse, para assim dedicar sua vida à caridade. 

Obediente à recomendação da mãe, viveu celibatária, cultivando verduras, frutas e flores, e rezando muito. Com esmolas e ajuda do povo, mandou construir uma capela que ficou conhecida como a igreja de Nhá Chica.

Nunca foi à escola. Viveu e morreu analfabeta. Lamentava não poder ler a Bíblia, da qual decorava trechos e recitava de cor algumas orações. Rezava diante de uma pequena imagem da Imaculada Conceição, retirando-se para junto dela no quarto, enquanto pessoas que recorriam às suas preces aguardavam na sala.

Segundo relato dos seus coetâneos, Nhá Chica era uma “moreninha clara, olhos verde-gaios, jovial, dengosa, um encanto de criança, alegre e comunicativa”.

Ela captou bem a proposta de Cristo, de perder sua vida a serviço dos pobres. Recusou as persistentes insinuações de gozar da riqueza familiar do seu irmão mais velho que tinha enriquecido. Ficou firme no seu propósito até o fim de sua vida. 

Na pessoa de Nhá Chica, podemos reconhecer a presença de Deus na vida do nosso povo, e que também o nosso MCC, busque ainda mais inspiração para levar o mesmo adiante transformando os ambientes e as vidas das pessoas.

Forte abraços a todos.

T I É
23º Cursilho para homens da Diocese de Jales em 1986.

Feliz Páscoa!

Feliz Páscoa!

Ele sabia, claro, que o fim se aproximava e que muitos achariam muito curta a sua trajetória…

siga-meHavia os ‘decepcionados’ que, esperando um Messias político, não tinham sido capazes de perceber que tudo o que ele havia dito e feito tinha, sim, uma dimensão política. De fato, até hoje é difícil entender que uma revolta não se faz apenas com armas de qualquer tipo; é preciso ir mais longe para assimilar a revolução das bem-aventuranças e as mudanças radicais que sua prática traria a qualquer sociedade, de qualquer tempo, fosse qual fosse seu sistema político.

Havia os ‘acomodados’ que, felizes com o Messias que ‘alimentava o povo’ a partir de uns poucos pães e ainda menos peixes, não tinham sido capazes de perceber que quando há solidariedade, a partilha vence a fome. De fato, até hoje é difícil para alguns entender que finas e caras iguarias não aumentam um só dia ao espectro da vida e, se trocadas pelo necessário, alimentariam multidões; é preciso ir mais fundo para assimilar a simplicidade num mundo em que o ter tomou o lugar do ser, em que o status e as aparências tornaram-se mais importantes do que o caráter e os princípios.

ressurreiçãoHavia os ‘volúveis’ que, estando em Jerusalém para as festas, não tinham por que perder a oportunidade de participar daquele evento público em que o governador indultava um preso, e torcer para aquele que tivesse mais chances de ganhar. De fato, até hoje é difícil para as multidões fazer as escolhas certas; é preciso ir além para refletir, construir consciência crítica, assumir responsabilidades no meio da sociedade em que tragédias e comédias se sucedem e a fugacidade pede novos acontecimentos todo dia e novas emoções que durem pouco.

Havia uns poucos ‘fiéis’ que, mesmo conhecendo o Messias e reconhecendo-o como Caminho, Verdade e Vida, pouco poderiam fazer… Foram sufocados pelos outros grupos, mais numerosos e não conseguiram impedir a clamorosa injustiça que se cometia contra um inocente. De fato, até hoje é difícil promover a justiça, erguer a bandeira da verdade, defender a igualdade, exercitar a tolerância, praticar a caridade, valorizar a simplicidade…

ressurreição - 1E, assim, só um punhado dos atores e espectadores da sua condenação teve o privilégio de ver de perto o cumprimento da estranha promessa que Ele fizera: destruam o templo e em três dias ele estará de novo de pé. E mais, a mesmíssima história foi-se repetindo ao longo do tempo e, ano após ano, desenrola-se diante dos nossos olhos, provocando reflexões e exigindo decisões. Temos que escolher um dos grupos e, como todas as escolhas, essa tem consequências. A melhor delas é aquela que nos deixa genuinamente tristes diante da Paixão de quem passou fazendo o bem… Porque é a única à qual se segue, alguns dias depois, a alegria da Ressurreição.

Então, Feliz Páscoa!

Maria Elisa Zanelatto (março, 2013)
Cursilhista de Santo André, SP.
Já foi secretária e vice-coordenadora do GEN.
Atualmente é uma das responsáveis para a atualização do livro Ideias Fundamentais do MCC.

Carta do cardeal Jorge Mario Bergoglio – Aos Cursilhistas da Arquidiocese de Buenos Aires – 13/06/2011

Carta do cardeal Jorge Mario Bergoglio, arcebispo de Buenos Aires,
aos Cursilhistas da arquidiocese.

(13 de junho de 2011, Festa de Maria, Mãe da Igreja)

Papa FRANCISCO - 3

.

.

Queridos Cursilhistas:

A boa semente são os que pertencem ao Reino” (Mt 13,38)

Ao se aproximar da solenidade de São Paulo, vosso patrono e modelo de como “viver DE COLORES”, damos graças a Deus por todos los frutos que ao longo dos anos a Obra do Cursilhos de Cristandade tem contribuído generosamente com a Igreja.

Nosso serviço de anunciar a Cristo, sendo testemunho nos ambientes cotidianos, é vivenciar, renovar de forma concreta o Batismo que recebemos Nele e que nos converte em discípulos missionários da Palavra, segundo o que é expressado na “Constituição da Igreja”: “A este apostolado, todos estão chamados pelo mesmo Senhor, em razão do Batismo e Confirmação (Nº 33)”.

Vos escrevo consciente das dificuldades na inculturação do Evangelho na sociedade atual e com confiança na vossa audácia e fervor apostólico, nascidos do encontro pessoal consigo mesmo e com Cristo vos leve a fazer história, em função do bem, para que muitos irmãos excluídos ou não que vivam na periferia se sintam abraçados pelo amor de Jesus.

Ser peregrinos em nossa cidade significa nos instalarmos, estar abertos a vida e prestar atenção ao que se passa em nosso coração como o Bom Samaritano à frente da difícil realidade de tantos irmãos.

É necessário que o Movimento de Cursilhos de Cristandade através da participação de todos, continue seu caminho de conversão pastoral como nos propõe Aparecida.

Como Cursilhistas em tempos difíceis devem pedir a Deus a Graça de ter muitos aliados, de ter sempre um Pré-Cursilho em marcha, para não cair na desesperança que paralisa e angustia. O dom do Kerigma que receberam no Cursilho é missionário e fortalecedor como propõe o tripé: piedade (no nosso caso Oração)¹ estudo e ação.

Como Igreja Arquidiocesana necessitamos a unidade de todos em Cristo, para que Ele, somente Ele reine em nossos corações e podermos assim reconhecer-nos como discípulos de Emaús.

Ao dar graças pela sua peregrinação como Cursilhista te peço que não deixes de renovar na Eucaristia teu ardor e fervor apostólico e de seus irmãos nas Reuniões de Grupo.

Hoje, mais do que nunca necessitamos nos ambientes sermos luz e alegria para tantos irmãos que ignoram que Deus é um Pai e que vos ama com ternura.

Hoje, mais do que nunca necessitamos tua presença para que muitas famílias encontrem no amor transcendente de Cristo uma nova e maior dimensão do amor humano.

Hoje, mais do que nunca necessitamos de sua pessoa e seu testemunho nas Ultréyas, para seguir “adelante”, mas firmes no anúncio e vivência do Kerigma.

Vos peço, por favor, que rezem por mim. Que Jesus vos bendiga e a Virgem Maria da Divina Graça vos cuide.

Afetuosamente,

Cardeal Jorge Mario Bergoglio SJ
arcebispo de Buenos Aires.

¹ nota do tradutor.

Texto enviado por: 
Luis Henrique Cortez Bosco
Responsável Pós Cursilho – MCC diocese de Araçatuba