Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 18/09/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 18/09/2017, acolhemos os neo-cursilhistas de nossa cidade e também tivemos a presença da irmã em Cristo Neusa Bulgueroni, da cidade de Birigui, que fez a comunicação: “O VALOR INCOMPARÁVEL DA PESSOA HUMANA“. Neusa veio acompanhada de seu pai José, seu esposo Cláudio e sua filha Letícia.

101_0888

“Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em plenitude.” (Jo 10, 10)

O homem é chamado a uma plenitude de vida que se estende muito além das dimensões de sua existência terrena, porque consiste na participação da própria vida de Deus.

A Igreja vê no homem a imagem viva do próprio Deus.

Dentre todas as criaturas somente o homem é capaz de sentir a presença de Deus.

O homem e a mulher tem a mesma dignidade, são de igual valor e nível, não só porque ambos na sua dignidade são imagem de Deus, mas ainda na relação recíproca onde realizam-se a si próprios profundamente.

O bem que o homem realiza não é resultado de cálculos e estratégias, nem de produto de constituição genética ou de condicionamento sociais, mas é o fruto de um coração bem disposto, da escolha livre que tende ao bem verdadeiro, não basta a ciência e a técnica para realizar o bem é preciso a sabedoria do coração. (Papa Francisco)

Garantir a igualdade deve ser sempre a busca da humanidade.

“Deus deu suficiente liberdade para que cada ser humano faça suas escolhas e deu a todos essa capacidade. A vida não é obra do acaso, ela é consequência do infinito amor de Deus Pai com todas as suas criaturas, especialmente o ser humano, dotado de inteligência e de liberdade”. (Padre Zezinho)

Jovânia Bassi da Silva
13º Cursilho para Mulheres da diocese de Araçatuba

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Anúncios

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 11/09/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 11 de setembro de 2017, fizemos um estudo bíblico, dividindo os presentem em grupos para leitura e reflexão dos seguintes textos bíblicos:

  • Grupo 1 – Lc 1, 26-38
  • Grupo 2 – Lc 1, 46-56
  • Grupo 3 – Jo 2, 1-12
  • Grupo 4 – Jo 19, 25-27
  • Grupo 5 – At 1, 12-14

Também, foi proposto que cada grupo tirasse do texto qual ensinamento de Deus para nós e como poderia aplicar na vida de cada um, no seu dia a dia.

Depois os grupos socializaram suas reflexões.IMG-20170913-WA0066DE COLORES

Ana Paula Bernabé
32º Cursilho para Mulheres da diocese de Araçatuba

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 28/08/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 28/08/2017, recebemos em nossa Escola Vivencial, os irmãos em Cristo, Cláudia e João Mauro (coordenador do GED) da cidade de Birigui.

101_0819

João Mauro nos falou sobre: “CRISTÃOS LEIGOS NA IGREJA E NA SOCIEDADE – SAL DA TERRA E LUZ DO MUNDO“.

Os cristãos, leigos e leigas que somos nós, recebemos através do Batismo e da Crisma, a graça de sermos Igreja, por isso a graça de sermos sal da terra e luz do mundo.

E temos a missão de sermos discípulos missionários de Jesus Cristo, no vasto e complicado mundo lá fora, uma Igreja em saída, em todos os ambientes, na política, na economia, na cultura, na realidade social, etc.

Devemos ser os protagonistas da construção de uma nova civilização plantando as sementes do evangelho.

Jovânia Bassi da Silva
13º Cursilho para Mulheres da diocese de Araçatuba

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 21/08/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 21/08/17, recebemos com muita alegria em nossa Escola Vivencial, nossos irmãos da cidade de Araçatuba, Silvia, Bermival e Fátima.

101_0769

Os três irmãos cursilhistas estiveram na Ultreya Mundial que aconteceu na cidade de Fátima em Portugal e vieram partilhar conosco sua maravilhosa experiência de encontro de cursilhistas do mundo inteiro.

Jovânia Bassi da Silva
13º Cursilho para Mulheres da diocese de Araçatuba

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 14/08/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 14/08/17, a Escola Vivencial participou da Semana Nacional da Família em nossa Paróquia.

101_0714

Antonio Bevilacqua fala sobre “O Valores da Família

Cujo tema abordado foi: OS VALORES DA FAMÍLIA, transmitido por nosso irmão em Cristo, Antônio Bevilaqua, da cidade de Piacatu.

Jovânia Bassi da Silva
13º Cursilho para Mulheres da diocese de Araçatuba

101_0754

Frei Claudemir 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 07/08/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 07/08/17, em nossa Escola Vivencial, Célia nos falou sobre “SERVIÇO DE ANIMAÇÃO VOCACIONAL (SAV)“.

101_0674

Agosto é o mês dedicado às vocações!

  • No primeiro domingo, comemora-se as vocações Sacerdotais.
  • No segundo domingo, por imitação do segundo domingo de maio, no qual é comemorado o dia das mães, temos o dia dos pais e neste mesmo dia também é comemorada a vocação Matrimonial.
  • No terceiro domingo, comemora-se a vocação à Vida Consagrada.
  • No quarto domingo, dia do Catequista, vocação do Cristão Leigo na Igreja.

Ao participarmos dessas celebrações não podemos nos esquecer da vocação primeira e mais importante de todas. A vocação à vida cristã e consequentemente, à santidade.

Todos somos vocacionados à santidade!

O Serviço de Animação Vocacional (SAV), é um “serviço” a toda comunidade cristã tendo por objetivo principal “animar” a “vocação” dos cristãos chamados por Deus.

  • Serviço: porque é, exatamente, o cumprimento de uma missão e toda missão implica uma atitude, uma ação concreta. Esse é um serviço que nasce do sopro divino que inspira e anima a vida da Igreja.
  • Animação: não se confunde com empolgação ou euforia, ao contrário, ela é alegria consciente e certeza de poder contar com as graças necessárias para realizar tal empreendimento.
  • Vocacional: nos lembra o chamado, o projeto original que Deus pensou e desenhou para cada um de nós.

O SAV ajuda a todos a se sentirem vocacionados, isto é chamados.

O passo seguinte é ajudar a chamar; assim, o SAV está presente nas pastorais do batismo, familiar, da catequese, juventude, liturgia. Enfim em todas as iniciativas que levam as pessoas a serem Igreja.

Jovânia Bassi da Silva
13º Cursilho para Mulheres da diocese de Araçatuba

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 17/07/2017 –

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, dia 17/07/17, nossa irmã em Cristo, Daiane, fez a reflexão do Evangelho do dia, em Mt 10,34–11,1.

101_0464

“Não penseis que vim trazer a paz a terra; não vim trazer a paz, mas sim a espada” (Mt 10, 34)

As palavras do Mestre Jesus, ao cair em nosso coração, num primeiro momento, podem até causar certa estranheza, pois Ele é o príncipe da paz. Mas quando Ele diz que não veio trazer a paz, não se refere à paz que nós conhecemos fruto do Espírito Santo, que é tão necessária para a nossa alma.

Há uma certa ilusão, um certo engano em relação à paz. Algumas pessoas acham que ter paz é estar tudo bem, não se preocupar com nada, deixar a vida andar do jeito que está.

Temos que viver a paz uns com os outros, temos de amar uns aos outros, mas isso não significa aceitar tudo que é errado. Usar a espada do Espírito não é criar guerra, conflito, brigar uns com os outros. Não é essa espada! A espada do Espírito é a espada do discernimento.

Temos de ter a prudência do Espírito e usarmos a espada para não permitirmos que a força do mal predomine naquilo que nós estamos fazendo. É essa graça, essa divisão, essa separação que Jesus veio fazer no meio de nós. Ele quer que façamos essa divisão, para que, assim, possamos viver a paz e o amor no meio de nós.

Jovania

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 10/07/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 10/07/2017, a irmã em Cristo Alessandra, nos falou sobre “ABORTO“.

101_0431

Alessandra fala sobre “aborto“.

A vida humana é sagrada, inviolável. Procede, desde a origem, de um ato criador de Deus. A morte deliberada de um ser humano inocente é crime monstruoso.

Afinal, o que é um aborto?

Um aborto (ou interrupção da gravidez) é a remoção ou expulsão prematura de um embrião ou feto do útero, resultando na sua morte.

Tipos de aborto:

  • ESPONTÂNEO: ocorre quando uma gravidez que parecia estar a desenvolver-se normalmente termina de maneira involuntária, ou seja quando o feto não está em condições de sobreviver.
  • PROVOCADO: é todo aquele que tem como causador um agente externo, que pode ser um profissional ou um leigo que utiliza algumas técnicas.
  • CURETAGEM – Dilaceração do bebê por meios de instrumentos de corte.
  • SUCÇÃO – Aspira o bebê e a placenta.
  • QUÍMICO – Soluções concentradas que matam o bebê.
  • MEDICAMENTOSO – Medicamentos utilizados para induzir contrações uterinas e eliminar o bebê.

O Brasil é um dos países campeões em aborto (1 milhão por ano).

Calcula-se que 50 milhões de abortos, entre legais e clandestinos, sejam praticados em todo o mundo anualmente.

De acordo com o artigo 124 do Código Penal Brasileiro, o aborto é considerado um crime contra a vida. A pena prevista é de um a três anos caso o procedimento tenha sido provocado pela gestante ou com seu consentimento e de três a dez anos caso seja induzido por terceiros sem o consentimento da gestante.

O aborto só não é penalizado em três situações: em caso de estupro, risco de morte para a mãe ou se o feto for diagnosticado com anencefalia, uma doença causada pela má formação do cérebro do feto na gestação.

O que a Igreja diz sobre o aborto?

A Igreja Católica não é a favor do aborto porque o aborto é um atentado contra uma vida.

Uma vez que a vida é dom de Deus e um direito inviolável de todo ser humano, ninguém pode retirar a vida de seu semelhante, sem que isto seja considerado um grave erro, um grave pecado contra o Quinto Mandamento da Lei de Deus: Não matarás (Êxodo 20, 13).

Jovania

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 19/06/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 19 de junho de 2017, recebemos o casal Wellington e Milena, da cidade de Araçatuba. Nos falaram sobre “Crescer na caridade conjugal“.

O documento da Igreja da comunicação foi “Amoris Laetitia“, e suas vivencias enquanto casal.

A graça do Sacramento do Matrimônio, destina-se, antes de mais nada, em aperfeiçoar o amor dos cônjuges.

20170619_200744

Casal Welington e Milena fala sobre “Crescer na caridade conjugal

Explanaram alguns itens fundamentais para a boa convivência entre casais:

  • Paciência
  • Caridade
  • Inveja
  • Arrogância e Humildade
  • Amabilidade
  • Amar-se
  • Perdão
  • Alegrar-se
  • Confiança
  • Amizade conjugal
  • Alegria e tristeza
  • Amor que se manifesta e cresce
  • O diálogo
  • Deus ama a alegria de seus filhos.

“O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” (1 Cor 13,4-7)

De Colores

Ana Paula

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 05/06/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 05/06/17, em nossa escola vivencial, a irmã em Cristo Neidinha, nos falou sobre São Pedro Apóstolo.

101_0383

101_0385

São Pedro

Através de textos bíblicos ela foi relatando a vida de Pedro.

  • Mc 1, 16-20: Chamado de Pedro
  • Mt 16, 13-20: Tu és o Messias, Filho de Deus
  • Lc 5, 1-11: Pesca numerosa
  • Jo 6, 66-71: A quem iremos, Senhor?
  • Mc 9, 1-13: Transfiguração de Jesus
  • Mt 14, 25-33: Pedro caminha sobre as águas
  • Mt 18, 21-35: Perdão, sete vezes?
  • Lc 22, 54-62: Negação de Pedro
  • Jo 13, 1-11: Lava Pés
  • Jo 21, 15-19: Pedro, tu me amas?
  • Lc 22, 31-34: Pedro, fortaleça os seus irmãos na fé
  • At 3, 1-8: Milagre de Pedro

Paz de Cristo

Jovania

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 29/05/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira,29/05/17, Tânia da cidade de Birigui, nos falou sobre “A AÇÃO CURSILHISTA“.

101_0338

Tânia fala “A Ação do Cursilhista

Em Tiago 2, 17 encontramos:

“Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma.”

No Cursilho temos o Tripé que sustenta nossa vida cristã:

  • ORAÇÃO
  • FORMAÇÃO
  • AÇÃO

E a ação é o chamado de Deus através do nosso Batismo para a missão.

No MCC, costumamos distinguir os diversos tipos de Ação.

  • ATIVISMO
  • ASSISTENCIALISMO
  • A AÇÃO SERVIÇO: OBRAS DE MISERICÓRDIA
  • AÇÃO DENTRO DO MCC
  • AÇÃO EVANGELIZADORA
  • A AÇÃO TRANSFORMADORA COMO LEIGOS CRISTÃOS NO MUNDO

É importante vivermos nossas ações, nossas atitudes, fundamentada no Tripé, que deve sustentar nossa vida cristã: na força da Oração, na segurança da Formação, levando a uma Ação Transformadora, a exemplo de Jesus nosso Mestre e Senhor.

Cada cristão poderá cumprir eficazmente sua missão, na medida em que assumir a Vida do Filho de Deus feito homem como modelo perfeito de sua ação evangelizadora.

Jovania

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 22/05/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 22/05/2017, recebemos as neo-cursilhistas:

101_0326

E, também, o Diácono Arnaldo da cidade de Clementina, que atenciosamente, fez a Comunicação: “PRESENÇA REAL DE CRISTO NO SANTÍSSIMO SACRAMENTO”.

Para ser cristão é preciso ter fé e acreditar naquilo que Jesus veio nos ensinar.

101_0302

Diácono Arnaldo fala sobre “PRESENÇA REAL DE CRISTO NO SANTÍSSIMO SACRAMENTO

Em Mateus 26, 26-29 (A Instituição da Eucaristia):

“26Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai e comei, isto é meu corpo. 27Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos, 28porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados. 29Digo-vos: doravante não beberei mais desse fruto da vinha até o dia em que o beberei de novo convosco no Reino de meu Pai.” 

Vejamos, alguns milagres eucarísticos:

  • Milagre eucarístico, Lanciano (Itália)

Em Lanciano, na igreja dedicada a São Legonciano, um monge basiliano que celebrava a missa em rito latino começou a duvidar da presença real de Cristo sob as sagradas espécies após a consagração.

Nesse momento, o sacerdote viu como a sagrada hóstia se transformava em carne humana e o vinho em sangue, que posteriormente se coagulou.

O fato miraculoso se remonta ao século VIII

  • Milagre Eucarístico de Buenos Aires, onde uma Hóstia Consagrada tornou-se Carne e Sangue.

Em 18 de agosto de 1996, o Padre Alejandro Pezet celebrava a Santa Missa em uma igreja no centro comercial de Buenos Aires. Como estava já terminando a distribuição da Sagrada Comunhão, uma mulher veio até a ele e informou que tinha encontrado uma hóstia descartada em um candelabro na parte de trás da igreja. Chegando ao lugar indicado, o Padre Alejandro Pezet viu a hóstia profanada. Como ele não pudesse consumi-la colocou-a em uma tigela com água, como manda a norma local, e colocou-a no Santuário da Capela do Santíssimo Sacramento, aguardando que dissolvesse na água.

Na segunda-feira, 26 de agosto, ao abrir o Tabernáculo, viu com espanto que a Hóstia havia se tornado uma substância sangrenta.

  • No CIC §1324 encontramos:

A Eucaristia é “fonte e ápice de toda a vida cristã”. “Os demais sacramentos, assim como todos os ministérios eclesiásticos e tarefas apostólicas, se ligam à sagrada Eucaristia e a ela se ordenam. Pois a santíssima Eucaristia contém todo o bem espiritual da Igreja, a saber, o próprio Cristo, nossa Páscoa.”

Pela Celebração Eucarística nos unimos a Liturgia do céu e antecipamos a vida eterna quando Deus será tudo e em todos.

Precisamos acreditar que Jesus está realmente na Eucaristia. Não é um simples simbolismo. É real. É verdadeiro.

Façamos que a Eucaristia que comungamos seja em nós fonte de anunciação a tantos irmãos que desconhecem essa Palavra.

Jovania

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 15/05/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 15/05/2017, nossa irmã em Cristo Célia, fez a reflexão do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 14, 21-26.

101_0274

Segundo o evangelista, o amor a Jesus Cristo se manifesta no acolhimento dos seus mandamentos e na observância dos mesmos. Com isso, percebemos que Jesus não quer a submissão do homem a Ele, mas comunhão do homem com Ele.

Quando o homem acolhe os seus mandamentos, na verdade está descobrindo os valores que são o Seu fundamento e assumindo esses valores como causa primeira da sua felicidade.

Assim, a observância dos mandamentos não significa mera obediência, mas caminho para a construção da felicidade pessoal e comunitária, e este caminho é perfeito porque tem a sua origem no próprio Deus.

E, ao final da comunicação, as crianças fizeram uma homenagem às mães.

101_0287

De Colores

Jovania

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 08/05/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 08/05/17, recebemos com muita alegria em nossa Escola Vivencial, o Padre Jefferson Antônio, vigário da Paróquia são João Batista e São Judas da cidade de Araçatuba, que fez uma belíssima comunicação sobre “300 ANOS DA APARIÇÃO DE NOSSA SENHORA APARECIDA”.

101_0228

Padre Jefferson fala sobre os “300 anos da aparição de Nossa Senhora Aparecida

A devoção à Virgem Maria, sob o título de Nossa Senhora da Conceição, chegou ao Brasil com a frota de Pedro Álvares Cabral. Vinda a bordo da nau “Santa Maria”, uma imagem de Nossa Senhora sob essa invocação aportou nestas terras a 22 de abril de 1500, uma vez que a intercessão da Mãe de Deus era muito invocada pelos navegantes como certeza de segurança, saúde, bem-estar e consolo para as aflições.

A região paulista do vale do Paraíba, que a partir de 1600 fora caminho para valentes bandeirantes e desbravadores, foi escolhida pela Divina Providência para ser o berço da devoção mariana mais querida do povo brasileiro: a Virgem Aparecida.

O encontro da pequena imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida se deu entre os dias 17 e 30 de outubro de 1717, justamente quando a Vila de Guaratinguetá recebeu a visita de seu ilustre governador, o Conde de Assumar.

Assim como podemos ver no mais antigo relato, escrito por Pe. Dr. João de Morais e Aguiar – Que se encontra no Arquivo da Cúria Metropolitana de Aparecida – 1757

“No ano de 1719, pouco mais ou menos, passando por esta Vila para as Minas, o governador delas e de São Paulo, o Conde de Assumar, Dom Pedro de Almeida e Portugal, foram notificados pela Câmara os pescadores para apresentarem todo o peixe que pudessem haver para o dito Governador. Entre muitos foram a pescar Domingos Martins Garcia, João Alves e Filipe Pedroso com suas canoas. E principiando a lançar suas redes no Porto de José Corrêa Leite, continuaram até o Porto Itaguassu, distância bastante, sem tirar peixe algum. E lançando neste porto, João Alves a sua rede de rasto, tirou o corpo da Senhora, sem cabeça; lançando mais abaixo outra vez a rede tirou a cabeça da mesma Senhora, não se sabendo nunca quem ali a lançasse. Guardou o inventor esta imagem em um tal ou qual pano, e continuando a pescaria, não tendo até então tomado peixe algum, dali por diante foi tão copiosa a pescaria em poucos lanços, que receoso, e os companheiros de naufragarem pelo muito peixe que tinham nas canoas, se retiraram a suas vivendas, admirados deste sucesso”

Em 1978, a imagem de N. Sra. Aparecida foi quebrada por um doente mental, e sua imagem se partiu em 165 pedaços. Por ocasião do atentado, a imagem foi minuciosamente estudada pelos Doutores Pietro Maria Bardi e João Marino, bem como por Maria Helena Chartuni, peritos do MASP. Por meio de tais estudos concluiu-se que a imagem foi modelada em terracota, barro tradicionalmente paulista, e primitivamente era policromada nas cores azul (manto), vermelho grená (forro) e branco (rosto e mãos). Despida das cores originais, a coloração escura foi assumida em virtude do tempo em que esteve submersa no lodo das águas e da fumaça das velas e tochas da casa dos pescadores. Depois do estudo seu corpo foi restaurado e sua unidade foi refeita.

A imagem original de Nossa Senhora Aparecida, ou seja, a retirada das águas do rio Paraíba, está exposta à veneração dos fiéis no Santuário Nacional. Com 36 cm de altura e 2,550 kg de peso, está apoiada em um pedestal de prata lavrada, nela colocado em 1875 pelo Cônego Benedito Teixeira da Silva Pinto, então pároco de Guaratinguetá. Sua cabeça, desde 1904, está ornada com uma coroa de ouro doada pela Princesa Isabel.

O culto a Nossa Senhora Aparecida iniciou-se com caráter bastante familiar, já que ao redor de sua imagem as famílias ribeirinhas se reuniam aos sábados para rezar o terço e cantar as ladainhas.

O fato desse oratório estar situado junto da Estrada Real foi providencial para a expansão da devoção a Nossa Senhora Aparecida. Além daquela ser a única estrada que conduzia às Minas e ao porto de Parati, por ali transitavam caravanas que se dirigiam às regiões centro-oeste e sul do Brasil. Desse modo, rapidamente a nova invocação mariana difundiu-se, bem como as notícias de seus inúmeros prodígios, galgando regiões longínquas, levadas pela boca de sertanistas, mineradores e tropeiros, também isso graças à intervenção divina, dadas as dificuldades de transporte e comunicação da época.

Com a aprovação do então bispo do Rio de Janeiro, Dom Frei João da Cruz, em 26 de julho de 1745, foi benta e inaugurada à primeira capela dedicada a Nossa Senhora Aparecida, construída no alto do morro dos Coqueiros.

A 16 de julho de 1930, o Santo Padre o Papa Pio XI, atendendo à solicitação do povo católico brasileiro e de seus pastores, declarou oficialmente Nossa Senhora da Conceição Aparecida como Padroeira principal do Brasil e sua especial intercessora junto de Deus.

Nossa Senhora da Conceição Aparecida, rogai por nós

Jovania

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 24/04/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 24/04/17, nosso irmão em Cristo, Marcos, nos falou sobre: A ORAÇÃO CRISTÃ.

101_0124

Marcos fala sobre “A oração Cristã

A oração é a expressão profunda da alma, uma comunicação real com o Criador. Deve envolver a vida do cristão de tal maneira que tudo o que fizer se torne um ato de oração.

“Para mim, a oração é um impulso do coração, é um simples olhar lançado ao céu, um grito de reconhecimento e amor no meio da provação ou no meio da alegria”. (Santa Terezinha do Menino Jesus)

A FONTE DE ORAÇÃO – Fonte é de onde brota a origem, e como fonte da oração a Igreja indica três principais:

  1. A Palavra de Deus, 
  2. A Liturgia da Igreja, 
  3. As Virtudes Teologais: Fé, Esperança e Caridade.

AS FORMAS DE ORAÇÃO – A oração pode ser de várias formas, de acordo com as intenções, sentimentos e necessidades de quem reza. Podemos citar várias maneiras de rezar:

  • A oração de louvor,
  • A oração de ação de graças, Oração de adoração, Oração de súplica, Oração de entrega, Oração de intercessão, Oração pessoal, Jejum, Oração ecumênica,
  • A oração de Jesus,
  • A oração da Igreja, O Terço.

No Evangelho temos várias situações onde Jesus enfatiza sua vida de oração:

 “Logo depois de se despedir da multidão subiu ao monte para rezar”. (Mc 6, 46)

“Mas Ele costumava retirar-se a lugares solitários para orar”. (Lc 5, 16) 

“Senhor ensina-nos a rezar, como também João ensinou os seus discípulos” (Lc 11, 1)

Foi em resposta a esse pedido que o Senhor confiou a seus discípulos e a Igreja a oração cristã fundamental: O Pai Nosso.

De Colores

Jovania

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 17/04/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 17/04/17, em nossa Escola Vivencial, nossa irmã em Cristo, Isaide, falou sobre o Tema: A FORMAÇÃO ÉTICA DOS FILHOS.

101_0101

Ética é uma matéria que faz parte do aprendizado de vida, no qual os pais devem ser os melhores professores.

Então, como se ensina ética?

Ensina-se aquilo que se é. Ética se transmite. O que será aprendido e processado pelos filhos não é o que advém de um discurso verbal, de uma pregação ou de um sermão, mas sim o que eles captam no pensamento e na ação de seus pais. É função dos pais transmitirem condutas éticas a seus filhos.

Não se trata de ensinar o filho a ser “bonzinho”, pois ele corre o risco de ser bobo, mas sim de torná-lo um ser “responsável” por suas ações, desde os primeiros tempos de vida. Como pais, cumpre dar exemplo de autonomia e liberdade interna para fazer escolhas e assumir posições e se responsabilizar por elas. Uma pessoa só é ética quando se orienta por princípios e convicções.

Mentindo, os adultos ensinam seus filhos a mentir, pois eles perdem a referência do que é certo ou errado. Nada justifica uma mentira, não existem “mentirinhas”, mentiras “piedosas” nem mentiras “politicamente corretas”, todas fazem mal. E isso precisa ser transmitido às crianças. Falar a verdade implica ser honesto consigo mesmo e com os outros e assumir as consequências de seus atos. Essa é a base da ética. O que é certo e o que é errado, o que faz bem e o que faz mal.

Outro ponto importante para ensinar ética às crianças é mostrar que diferente não é sinônimo de errado. Isso ajuda e muito a criança a perceber que ela pode ter amigos respeitando eticamente as diversidades de raça, crença, sexo, nacionalidade. Fica difícil para uma criança ter o aprendizado da ética quando os pais, em casa, zombam de uma pessoa por ser de raça ou nacionalidade diferente.

No esporte também se forma a ética da criança. Vencer é o objetivo. Mas jamais se deve admitir que os filhos ganhem mediante fraude. É frequente a criança com 6, 7 anos roubar no jogo. Ela quer ganhar, custe o que custar. Alguns adultos, ao jogar com as crianças, permitem o roubo ou deixam que elas ganhem. Isso não é válido e deseduca. Mesmo que seja dolorido, cumpre ao adulto mostrar que o jogo só tem graça quando jogado honestamente. Assim, quando a criança ganhar, ela saberá que, de fato, foi competente e comemorará uma vitória digna, uma vitória com ética.

Nossa época é pobre em ética. Modelos de corrupção, de indignidade, de desonestidade, de sonegação são numerosos em nossa sociedade. Nossas crianças ficam submetidas a eles.

A crise moral e ética atinge tanto a escola quanto as famílias, e uma empurra a responsabilidade da educação das crianças para a outra.

“Muitos professores acusam os pais de não darem, limites a seus filhos, e muitos pais acusam a escola de não ter autoridade e de não impor a disciplina”.

Os pais de hoje foram os filhos, nas décadas de 60 e 70, que lutaram com todas as forças contra a repressão, por isso, às vezes não impõem os limites corretos aos filhos por terem medo de parecer “autoritários”.

Como fazer para dosar a disciplina em casa e transmitir os valores éticos corretamente sem parecer antiquado?

As regras colocadas devem ser justas e devem também ser explicadas. Um bom exemplo de relação com autoridade é a relação que temos com um médico: seguimos suas prescrições porque o consideramos como representante de um conhecimento legítimo, inteligível e que pode nos fazer algum bem.

A relação de autoridade seja na família, seja na sala de aula, deve seguir essa mesma lógica: os pais ou os professores devem ser reconhecidos como pessoas que detêm conhecimentos legítimos e necessários ao pleno desenvolvimento das novas gerações. 

Jovania

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 03/04/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Acolhida dos neo cursilhistas Braz e Luis, nesta segunda-feira, 03/04/17, em nossa Escola Vivencial.

Eles partilharam conosco suas experiências e logo em seguida realizamos o exercício espiritual da Via-Sacra.

Paz de Cristo

Jovania

101_0082

Exercício espiritual da Via Sacra

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 27/03/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 27/03/17, nosso irmão em Cristo, Jovelino Moreira (conhecido carinhosamente como Picasso) partilhou conosco a reflexão do Evangelho de Jesus Cristo em João 4, 43-54.

101_0007

Jesus declarou que um profeta não é honrado na sua própria terra.

Como ele foi criado na cidade de Nazaré, que fica na Galileia, fazia referência aos galileus, que precisavam de sinais e prodígios para crer e ficavam exigindo que Jesus operasse milagres que testemunhariam que ele de fato era o Filho de Deus. 

Jesus nos mostra que o processo é justamente o contrário: não são os sinais que devem nos levar a crer, mas é a nossa fé que deve produzir sinais de Reino de Deus, sinais de fraternidade, de justiça, de amor, de vida em abundância. 

O funcionário do rei é desafiado a crer sem ver sinais. Ele crê, de fato, “nas palavras de Jesus”.

Sem comparecer ao local, apenas com sua palavra de vida, Jesus opera o milagre. Ao comprovar a cura do filho, o homem crê e leva toda a sua família à fé em Jesus.

Porque ter fé significa ter a presença amorosa e solidária de Deus em todos os momentos da vida.

De Colores

Jovania

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 20/03/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 20/03/17, recebemos com muita alegria em nossa Escola Vivencial, nossos irmãos em Cristo da cidade de Birigui, Claudia, Adriano e Carine que apresentou o Tema: “A IGREJA: MÃE E EDUCADORA“.

100_9995

Em Mt 16, 18 diz:

“E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela”.

A Igreja é o prolongamento da encarnação de Cristo no meio dos homens para formar nele a grande família dos filhos de Deus.

É na Igreja que:

  • Recebemos a palavra de Deus;
  • Recebemos a graça dos sacramentos;
  • Aprendemos o exemplo de santidade;
  • É onde realizamos nossa vocação: a comunhão com Deus e com todos os batizados.

Já dizia Santo Agostinho:

“Não terá Deus como Pai quem recusa a ter a Igreja como mãe”.

A Igreja coluna e sustentáculo da verdade, recebeu dos apóstolos o mandamento de Cristo, de pregar a verdade da salvação.

Compete a Igreja anunciar sempre e por toda a parte os princípios morais, mesmo os referentes a ordem social e pronunciar-se a respeito de qualquer questão humana enquanto exigirem os direitos fundamentais da pessoa ou da salvação das almas.

A Igreja nunca se cala diante das injustiças, assim como Cristo fez.

A fidelidade dos batizados é condição primordial para anuncio do evangelho e para a missão da Igreja no mundo.

Através da nossa fidelidade contribuímos para o crescimento de nossa Igreja.

Que tenhamos coragem de assumir a nossa Igreja para fazer um mundo melhor.

Jovania

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro – 13/03/2017

Escola Vivencial MCC – Gabriel Monteiro

Nesta segunda-feira, 13/03/2017, tivemos a participação do Frei Claudemir, em nossa Escola Vivencial, falando sobre a Campanha da Fraternidade 2017.

100_9939

Frei Claudemir apresenta a Campanha da Fraternidade de 2017

Não é a primeira vez que a Igreja aborda um tema ecológico:

CF-1979: Tema: Por um mundo mais humano
Lema: Preserve o que é de todos

CF-2002: Tema: Fraternidade e Povos Indígenas
Lema: Por uma terra sem males

CF-2004: Tema: Fraternidade e Água
Lema: Água, Fonte de Vida.

CF-2007: Tema: Fraternidade e Amazônia
Lema: Vida e Missão neste chão

CF-2011: Tema: Fraternidade e a Vida no Planeta
Lema: A criação geme em dores de parto

CF Ecumênica-2016: Tema: Casa Comum, Nossa Responsabilidade.
Lema: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24)

Na Campanha da Fraternidade de 2017:
Tema: Fraternidade: Biomas brasileiros e defesa da vida.
Lema: Cultivar e guardar a Criação. (Gn 2,15)

É a sétima vez que a Igreja aborda um tema ligado à ecologia e ao meio ambiente.

O Papa Francisco escreveu uma encíclica (Laudato Si) sobre o cuidado da casa comum. É uma carta para todos os católicos, cristãos interessados. É a primeira vez que um Papa aborda um tema ecológico num escrito oficial da Igreja.

Deus na sua criação não colocou o homem e a mulher no jardim para oprimir a criação.

O homem e a mulher foram colocados no jardim para serem jardineiros.

O Papa Francisco nos chama a atenção em sua encíclica, para que antes de qualquer iniciativa ligada a ecologia e ao meio ambiente, os cristãos desenvolvam:

  • Contemplação: admirar a natureza para assim brotar em nós a Espiritualidade ecológica.

“O Senhor Deus tomou o homem e o colocou no jardim do Éden, para cultivar e guardar”. (Gn 2, 15)

Comentou sobre alguns biomas de nosso Brasil:

  1. Floresta Amazônica
  2. Cerrado
  3. Caatinga
  4. Mata Atlântica
  5. Pantanal
  6. Pampas
  7. Biomas Costeiros

Dentro da CF o texto base deixa bem claro o despertar de uma Espiritualidade Ecológica, vem desta dimensão da contemplação e também da gratidão, um amor agradecido.

Agradecer não significa apenas ter uma atitude de dizer muito obrigado. Agradecer também na dimensão que chamamos de cuidar.

“Ensinai-nos a descobrir o valor de cada coisa, a contemplar com encanto a reconhecer que estamos profundamente unidos com todas as criaturas no nosso caminho para a vossa luz infinita”. (Papa Francisco – Laudato Si- Oração pela nossa terra)

Cuidemos com carinho da nossa Casa Comum e que todos, com nossas especificidades, habitamos e de que necessitamos para sobreviver. Cuidemos com carinho daquilo que é de todos!

  • Somos afetados externamente pelo tempo e pelo espaço e internamente pelo que sentimos.
  • Perspectivas espaciais, temporais e até afetivas nos configuram.
  • A vida é sempre convivência.

Jovania

Este slideshow necessita de JavaScript.